Esporotricose transmitida por felis catus: relato de 4 casos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54727/cbps.v1i1.8

Palavras-chave:

Esporotricose, Sporothrix schenckii, Felis catus, Transmissão

Resumo

Objetivo: Relatar 4 casos de esporotricose de transmissão zoonótica por Felis catus. Método: Qualitativo, descritivo, retrospectivo, transversal de dados obtidos em prontuário médico e resultados laboratoriais arquivados no sistema computadorizado. Aprovado pelo CEP/EMESCAM sob número 4.239.032. Resultado: O primeiro caso refere-se a mulher de 29 anos, com lesão ulcerada em terço inferior da face acometida por arranhaduras de gato domiciliar. No segundo caso trata-se também de pessoa do sexo feminino de 21 anos que sofreu  arranhadura por gato diagnosticado com esporotricose e após coleta do material da lesão do 3° quirodáctilo direito. No caso número três, uma mulher de 51 anos, cuidou de gato de rua com esporotricose  e desenvolveu uma lesão ulcerada na perna. O quarto caso, ocorreu em mulher de 60 anos que ao conviver com gato de rua apresentou linfangite ascendente característica da doença e realizada cultura das secreções das lesões. Em todos os quatro casos, do diagnóstico laboratorial, o exame macroscópico e microscópico das colônias em Ágar Sabouraud-glicose confirmou Sporothrix schenckii complex. Três pacientes foram tratadas com iodeto de potássio e uma com fluconazol e todas obtiveram cura. Considerações finais: Os profissionais de saúde devem estar atentos quanto a presença de lesões clássicas, e principalmente a forma de transmissão por felinos associada ao diagnóstico laboratorial precoce com tratamento adequado para evitar sua disseminação. 

Referências

Falcão EMM, de LFJ, Berilo J, Campos DP, do Valle ACF, Bastos FI, Gutierrez-Galhardo MC et al .Hospitalizações e óbitos relacionados à esporotricose no Brasil (1992-2015). Cad. Saúde Pública. 2019; 35 (4): e00109218.

Bazzi T, Melo SMP, Figueira RA, Kommers GD. Características clínico-epidemiológicas, histomorfológicas e histoquímicas da esporotricose felina. Pesquisa Veterinária Brasileira. 2016 . 36 (4): 303-311.

Montenegro H, Rodrigues AM, Dias MAG, da Silva EA, Bernardi F, de Camargo ZP. Feline sporotrichosis due to Sporothrix brasiliensis: an emerging animal infection in São Paulo, Brazil. BMC Veterinary Research. 2014. 10 (269)

da Silva MBT, Costa MMM, Torres CCS, Galhardo MCG, do Valle ACF, et al. Esporotricose urbana: epidemia negligenciada no Rio de Janeiro, Brasil. Caderno de Saúde Pública. 2012. 28 (10): 1868-1880.

Kauffman CA, Bustamante B, Chapman SW, Pappas PG, Infectious Diseases Society of America. Clinical Practice Guidelines for the Management of Sporotrichosis: 2007 Update by the Infectious Diseases Society of America. Clinical Infectious Diseases.2017. 45 (10): 1255-1265.

Heidrich D, Senter L, Valente P, Stopiglia CDO, Vetoratto G, Scroferneker ML. Sucesso terapêutico da terbinafina em um caso de esporotricose. Anais Brasileiros de Dermatologia. 2011. 86 (4): 182-185.

Barros MBL, Paes RA, Schubach AO. Sporothrix schenckii and Sporotrichosis. Clinical Microbiology Reviews. 2011. 24 (4): 633-654.

Furtado LO, Biancardi AL, Cravo LMS, Anjo RPP, Junior HVM. Esporotricose ocular: manifestações atípicas. Revista Brasileira de Oftalmologia. 2019. 78 (1): 60-61 Rio de Janeiro, v. 78, n. 1, p. 60-61, fev./2019.

Kauffman CA, Marr KA, Kaplan SL, Mitty J. Treatment of sporotrichosis. Uptodate. 2019.

Mahajan, VK. Sporotrichosis: An Overview and Therapeutic Options. Dermatology Research and Practice. 2014. 2014 (27237): 2-13.

Mattede, MGS. Micologia Clínica e Laboratorial. 1ª ed. Vitória, ES: Grafitusa; 2018.

Almeida AJ, Reis NF, Lourenço CS, Costa NQ, Bernardino MLA, Vieira-da-Motta O. Esporotricose em felinos domésticos (Felis catus domesticus) em Campos dos Goytacazes. 2018. 38 (7): 1438-1443.

Caus, ALO. Esporotricose no estado do Espírito Santo: um estudo de três décadas. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 2013. Dissertação de mestrado em Doenças Infecciosas.

Publicado

2023-04-03

Como Citar

Botti Vilaça Martins, I., Brandão Venturi, A., Lorencini Dondoni, F., Denadai, A., Souza Lorenzoni, G., Demoner Sarmenghi, K., & Silva Mattede, M. das G. (2023). Esporotricose transmitida por felis catus: relato de 4 casos. Clinics Biopsychosocial, 1(1). https://doi.org/10.54727/cbps.v1i1.8

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)