A influência do gênero nos domínios da qualidade de vida em idosos de uma unidade de saúde de Vitória-ES

Autores

  • Glenda Pereira Lima Oliveira Acadêmica de Medicina da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM)
  • Victória Rocha dos Santos Acadêmica de Fisioterapia da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM)
  • Adriely dos Santos Leite Acadêmica de Fisioterapia da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM)
  • Karoline Alves Correa Boscalha Acadêmica de Fisioterapia da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM)
  • Luciana Carrupt Machado Sogame Fisioterapeuta e Doutora em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) – Docente na Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM).
  • Gracielle Pampolim Fisioterapeuta e Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) – Docente na Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM)

DOI:

https://doi.org/10.54727/cbps.v1i1.4

Palavras-chave:

Qualidade de vida, Idoso, Gênero e saúde, Estratégia Saúde da Família

Resumo

Objetivo: Analisar a influência do gênero nos diferentes domínios da qualidade de vida em idosos de uma Unidade de Saúde da Família de Vitória-ES. Métodos: Estudo transversal quantitativo com 171 idosos a partir dos critérios de inclusão: idade igual ou superior a 60 anos, cadastrados na Rede Bem-Estar e assistidos pela Unidade de Saúde da Família estudada; e de exclusão: incapacidade de resposta ao questionário, impossibilidade de acesso ao idoso, óbito e/ou migração incompletude ou ausência das variáveis pertinentes. A qualidade de vida foi analisada por meio do instrumento SF-36 e os dados foram analisados de forma descritiva e inferencial por meio do test t, adotando-se p < 0,05. Resultados: A maioria dos idosos era do sexo feminino (60,8%), com 0 a 4 anos de estudo (59,6%). As mulheres apresentavam qualidade de vida percebida como regular/negativa quando comparada aos homens. A análise da escala SF-36 demonstrou menor qualidade de vida no sexo feminino na capacidade funcional, aspecto físico, estado geral de saúde, vitalidade e aspecto social. Conclusão: O gênero pode ser fator de influência na qualidade de vida entre os idosos, embora existam diversos trabalhos sobre o tema, são necessários mais estudos que comparem a qualidade de vida dos idosos em relação ao sexo.

Referências

Teixeira SM. Envelhecimento, família e políticas públicas: em cena a organização social do cuidado. Serv. Soc. Soc. 2020;137:135-54.

Barros TVP, Santos ADB, Gonzaga JM, Lisboa MGC, Brand C. Capacidade funcional de idosos institucionalizados: revisão integrativa. ABCS Health Sci. 2016;41(3):176-80.

Silva JA, Araújo LO, Xavier MCG, Amaral B. Envelhecimento e qualidade de vida: os idosos no passo da dança de salão. SFM. 2018;6(2):43-57.

Brasil. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Breve análise da nova projeção da população do IBGE e seus impactos previdenciários. 2018 [acesso em 04 jul 2021]. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/8792/1/NT_51_Disoc_Breve_an%c3%a1lise.pdf. Acessado em: 04 de julho de 2021.

Oliveira AS. Transição demográfica, transição epidemiológica e envelhecimento populacional no Brasil. Hygeia. 2020;15(31):69-79.

Daniel F, Monteiro A, Antunes S, Fernandes R, Ferreira PL. Qualidade de vida relacionada com a saúde de pessoas idosas numa perspectiva de género. Port J Public Health. 2018;36(2):59-65.

Fernandes J, Barroso K, Assis A, Pocahy F. Gênero, sexualidade e envelhecimento: uma revisão sistemática da literatura. Clínica & Cultura. 2015;4(1):14-28.

Maximiano-Barreto MA, Andrade L, Campos LB, Portes FA, Generoso FK. A feminização da velhice: uma abordagem biopsicossocial do fenômeno. Interfaces Científicas Humanas e Sociais. 2019;8(2):239-52.

Rocha MDHA, Sousa MIB, Cavalcante PAM, Rocha PFA, Santos SCC, Mariano WS. Saúde da mulher e do homem idoso na contemporaneidade: abordagens fisiológicas e sociais. J Business Techn. 2019;1(11):72-80.

Coelho JS, Giacomin KC, Firmo JOA. O cuidado em saúde na velhice: a visão do homem. Saude soc. 2016;25(2):408-21.

Kowalski JP, Schemes C, Saraiva JIA, Magalhães ML. Mulheres idosas: percepções sobre beleza e envelhecimento. Temas de Mujeres. 2017;13(13):76-97.

Almeida AV, Mafra SCT, Silva EP, Kanso S. A feminização da velhice: em foco as características socioeconômicas, pessoais e familiares das idosas e o risco social. Textos & Contextos (Porto Alegre). 2015;14(1):115-31.

Sales JCS, Júnior FJGS, Vieira CPB, Figueiredo MLF, Luz MHBA, Monteiro CFS. Feminização da velhice e sua interface com a depressão: revisão integrativa. Rev. Enferm. UFPE online. 2016;10(5):1840-46.

Manso MEG, Maresti LTP, Oliveira HDB. Análise da qualidade de vida e fatores associados em um grupo de idosos vinculados ao setor suplementar de saúde da cidade de São Paulo, Brasil. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2019;22(4):e190013.

Moutte MRP. Os Centros Dia na promoção de qualidade de vida do idoso. Rev. Longeviver. 2020;2(5):64-70.

Laguardia J, Campos MR, Travassos C, Najar AL, Anjos LA, Vasconcellos MM. Dados normativos brasileiros do questionário Short Form-36 versão 2. Rev. bras. epidemiol. 2013;16(04):889-97.

Magazoni VS, Lima MA, Amaro JSB. Avaliação da qualidade de vida dos pacientes atendidos na unidade básica de saúde de Indianópolis – MG através do questionário SF36. E-RAC. 2019;9(1):1-15.

Silva DC, Coutinho DJG, Barbosa JKC, Aguiar DS. Qualidade de vida do idoso na perspectiva dos gêneros. Um estudo baseado em dados secundários. Braz. J. Develop. 2020;6(7):46160-75.

Oliveira ERA, Gomes MJ, Paiva KM. Institucionalização e qualidade de vida de idosos da região metropolitana de Vitória-ES. Esc. Anna Nery. 2011;15(3):618-23.

Costa FR, Rodrigues FM, Prudente COM, Souza IF. Qualidade de vida de idosos participantes e não participantes de programas públicos de exercícios físicos. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2018;21(1):24-34.

Roncon J, Lima S, Pereira MG. Qualidade de vida, morbilidade psicológica e stress familiar em idosos residentes na comunidade. Psic.: Teor. e Pesq. 2015; 31(1): 87-96.

Gouveia ERQ, Gouveira BR, Ihle A, Kliegel M, Maia JA, Badia SBI, et al. Correlates of health-related quality of life in young-old and old-old community-dwelling older adults. Qual Life Res. 2017;26(6):1561-69.

Miranda LCV, Soares SM, Silva PAB. Qualidade de vida e fatores associados em idosos de um Centro de Referência à Pessoa Idosa. Ciênc. saúde coletiva. 2016;21:3533-44.

Campos ACV, Ferreira EF, Vargas AM. Determinantes do envelhecimento ativo segundo a qualidade de vida e gênero. Ciênc. saúde coletiva. 2015;20(7):2221-37.

Brandão BMLS, Silva AMB, Souto RQ, Alves FAP, Araújo GKN, Jardim VCFS, et al. Relação da cognição e qualidade de vida entre idosos comunitários: estudo transversal. Rev Bras Enferm. 2020;73:supl.3.

Resende MC, Almeida CP, Favoreto D, Miranda EG, Silva GP, Vicente JFP, Queiroz LA, Duarte PF, Galicioli SCP. Saúde mental e envelhecimento. Psico. 2011;42(1):31-40.

Lasta KC, Silva LG, Ferrari HR, Costa JLD, Dias CP, Tiggemann CL. Qualidade de vida de mulheres com diferentes faixas etárias de um programa de promoção à saúde. Destaques Acadêmicos. 2018;10(3):36-45.

Guedes DP, Hatmann AC. Associação entre atividade física e qualidade de vida em idosos. Boletim SPEF. 2013;37:95-108.

Silva JG, Caldeira CG, Cruz GECP, Carvalho, LED. Envelhecimento ativo, qualidade de vida e cognição de idosos: um estudo transversal em uma cidade de Minas Gerais. REAS. 2020;12(1):e1796.

Sousa NFS, Sousa MGL, Cesar CHLG, Barros MBA. Envelhecimento ativo: prevalência e diferenças de gênero e idade em estudo de base populacional. Cad. Saúde Pública. 2018;34(11):e00173317.

Publicado

2023-04-03

Como Citar

Pereira Lima Oliveira, G., Rocha dos Santos, V., dos Santos Leite, A., Alves Correa Boscalha, K., Carrupt Machado Sogame, L., & Pampolim, G. (2023). A influência do gênero nos domínios da qualidade de vida em idosos de uma unidade de saúde de Vitória-ES. Clinics Biopsychosocial, 1(1). https://doi.org/10.54727/cbps.v1i1.4

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)