O impacto da qualidade de vida dos brasileiros sobre a taxa de mortalidade por infarto agudo do miocárdio

Autores

  • Ana Clara Scatamburlo Souza Natali Acadêmica de Medicina pela Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM) https://orcid.org/0000-0001-5391-3637
  • Gabriela Lopes Peruchi Acadêmica de Medicina pela Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM) https://orcid.org/0000-0002-0198-967X
  • Izabela Orlandi Môro Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e acadêmica de Medicina pela Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM) https://orcid.org/0000-0001-5942-4594
  • Aline de Souza Neves Acadêmica de Medicina pela Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM) https://orcid.org/0000-0003-2463-7447
  • Simone Karla Apolonio Duarte Mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local. Docente do Curso de Medicina, Eixo Medicina de Emergência da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM) https://orcid.org/0000-0001-7867-6332
  • Caio Duarte Neto Mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local. Especialista em Medicina de Emergência. Docente do Curso de Medicina, Eixo Medicina de Emergência da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM) https://orcid.org/0000-0002-9927-1374
  • Leonardo França Vieira Mestre em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local. Docente do Curso de Medicina, Eixo Medicina de Emergência da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM) https://orcid.org/0000-0002-9927-1374
  • Hudson Pereira Pinto Mestre em Engenharia de Desenvolvimento Sustentável. Docente do Curso de Medicina, Eixo Medicina de Emergência da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM) https://orcid.org/0000-0002-4133-5371

DOI:

https://doi.org/10.54727/cbps.v1i1.3

Palavras-chave:

Infarto do Miocárdio, Mortalidade, Qualidade de Vida

Resumo

Objetivo: Descrever a taxa de mortalidade por Infarto Agudo do Miocárdio nos últimos dez anos no Brasil e sua possível relação com a qualidade de vida. Métodos: Estudo descritivo de cunho epidemiológico, baseado em dados secundários coletados no sistema Informações de Saúde do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde em 2021. Foi selecionada a taxa de mortalidade da lista de morbidade do Código Internacional de Doenças-10: Infarto agudo do miocárdio. Coletaram-se as variáveis ano de atendimento, unidade da federação, sexo e faixa etária. Resultados: A taxa de mortalidade por Infarto Agudo do Miocárdio entre 2011 e 2021 no Brasil foi de 11,01. Maior taxa de mortalidade ocorreu no Acre (18,91) seguido pelos estados de Alagoas (17,12), Paraíba (16,76), Maranhão (14,34) e Sergipe (14,30). Maior taxa de mortalidade ocorreu em indivíduos do sexo feminino (13,32) e nos idosos com 80 anos ou mais (25,40), seguido pelos idosos de 70 a 79 anos (15,80) e de 60 a 69 anos (9,84). Observou-se diminuição da taxa de mortalidade ao longo dos 10 anos analisados. Conclusão: As maiores taxas de mortalidade foram prevalentes na região Nordeste, nos indivíduos do sexo feminino e nos idosos. Encontraram-se relações entre a incidência de mortalidade por Infarto Agudo do Miocárdio e a qualidade de vida. Fatores como obesidade, diabettes mellitus e hipertensão arterial mostraram-se prevalentes nas mulheres e nos idosos. Desigualdades socioeconômicas foram observadas no Nordeste. Apesar da diminuição de seu valor, a taxa de mortalidade por Infarto Agudo do Miocárdio no Brasil ainda é elevada.

Referências

Santos J, Meira KC, Camacho AR, Salvador PTCO, Guimarães RM, Pierin AMG, et al. Mortalidade por infarto agudo do miocárdio no Brasil e suas regiões geográficas: análise do efeito da idade-período-coorte. Ciênc. saúde colet. 2018, 23(5): 1621-1634. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/m78fKfdCd9b8VbHfHL4QJYd/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 26 Jun 2021.

Anderson JL., Morrow, DA. Acute myocardial infarction. N Engl J Med. 2017, v. 376, n. 21, p. 2053-2064.

Kahleova H, Levin S, Barnard ND. Vegetarian Dietary Patterns and Cardiovascular Disease. Progress in Cardiovascular Diseases. 2018, 61(1), 54-61. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0033062018300872?via%3Dihub. Acesso em: 20 Jun 2020.

Gasparoto ALV. Infarto: antes, durante e depois - quebrando mitos. Barueri (SP): Editora Manole, 2018.

Medeiros TLFM, Andrade PCNS, Davim RMB, Santos NMG. Mortalidade por Infarto Agudo do Miocárdio, Rev enferm UFPE on line. 2018, 12(2):565-72. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/230729. Acesso em: 03 Jul 2021.

Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). Atualização da Diretriz de Prevenção Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia – 2019. Arq Bras Cardiol. 2019; 113(4):787-891. Disponível em: https://abccardiol.org/wp-content/uploads/articles_xml/0066- 782X-abc-113-04-0787/0066-782X-abc-113-04-0787-pt.x44344.pdf. Acesso em: 20 Jul 2021.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Desenvolvimento humano nas macrorregiões brasileiras. 2016. Disponível em: file:///C:/Users/user/Downloads/undp-br-macrorregioesbrasileiras-2016.pdf. Acesso em: 03 Jul 2021.

Gomes FDL, Lima MLC, Lima MF, Assis TJCF, Gomes ERM. Análise da mortalidade por infarto augo do miocárdio no Brasil: dados atuais e projeções futuras. 2018, p. 246-262.

Vaccarino V, Sullivan S, Hammadah M, Wilmot K, Mheid IA, Ramadan R, et al. Mental Stress-Induced-Myocardial Ischemia in Young Patients With Recent Myocardial Infarction: Sex Differences and Mechanisms. Circulation. 2018, 137(8):794-805. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29459465/. Acesso em: 01 Jul 2021.

Arora S, Stouffer GA, Kucharska-Newton AM, Qamar A, Vaduganathan M, Pandey A, et al. Twenty Year Trends and Sex Differences in Young Adults Hospitalized with Acute Myocardial Infarction: The ARIC Community Surveillance Study. Circulation. 2019. 139(8):1047-1056. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30586725/. Acesso em: 01 Jul 2021.

Alabas OA, Gale CP, Hall M, Rutherford MJ, Szummer K, Lawesson SS, et al. Sex Differences in Treatments, Relative Survival, and Excess Mortality Following Acute Myocardial Infarction: National Cohort Study Using the SWEDEHEART Registry. Journal of the American Heart Association. 2017, 14;6(12). Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29242184/. Acesso em: 02 Jul 2021.

Fiório CE, Cesar CHLG, Alves, MCGP, Goldbaum M. Prevalência de hipertensão arterial em adultos no município de São Paulo e fatores associados. Rev. bras. epidemiol. 2020, v. 23, . Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbepid/a/XtSqwLZJsQBV6Hn56gq5HMk/?lang=pt. Acesso em: 02 Jul 2021.

Ministério da Saúde. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019. Brasília: Ministério da Saúde. 2020. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2019_vigilancia_fatores_risco.pdf. Acesso em: 03 Jul 2021.

Silveira EA, Vieira LL, Jardim TV, Souza JD. Obesidade em Idosos e sua Associação com Consumo Alimentar, Diabetes Mellitus e Infarto Agudo do Miocárdio. Arq. Bras. Cardiol. 2016. 509-517. Disponível em: https://www.scielo.br/j/abc/a/WtSNGkCpWJmfZVgL58NZNRQ/?lang=pt. Acesso em: 26 Abr 2021.

Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE). Um em cada quatro adultos do país estava obeso em 2019; Atenção Primária foi bem avaliada. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/29204-um-em-cada-quatro-adultos-do-pais-estava-obeso-em-2019. Acesso em: 26 Abr 2021

Hospital Presidente. Quando a criança tem problema de coração. São Paulo: Hospital Presidente. 2020. Disponível em: https://www.hospitalpresidente.com.br/2020/10/05/quando-a-crianca-tem-problema-de-coracao/.Acesso em: 03 jul. 2021.

Maier SRO, Bazzano ABKRM, Oliveira WS, Corrêa CRA, Júnior JRS, Sudré MRS, et al. Fatores de riscos relacionados ao infarto agudo do miocárdio: revisão integrativa da literatura. Saúde (Santa Maria). 2020, 46(1) p. 1-11. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/revistasaude/article/view/43062. Acesso em: 03 Jul 2021.

Publicado

2023-04-03

Como Citar

Scatamburlo Souza Natali, A. C., Lopes Peruchi, G., Orlandi Môro, I., de Souza Neves, A., Apolonio Duarte, S. K., Duarte Neto, C., França Vieira, L., & Pereira Pinto, H. (2023). O impacto da qualidade de vida dos brasileiros sobre a taxa de mortalidade por infarto agudo do miocárdio. Clinics Biopsychosocial, 1(1). https://doi.org/10.54727/cbps.v1i1.3

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)